terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

solidões da memória – notícias e impressões de leitura – VI

Sob o título “Memórias insulares”, esta generosa leitura crítica de “solidões da memória", pelo jornalista e ficcionista Daniel Brazil, publicada no seu prestigiado blog "Fósforo",  no dia 16.2.2016:



“Terra,
Quando te cinges de água,
Tanto mistério se encerra.”
(de uma antiga canção praiana)

            Termino a leitura de Solidões da Memória (Dobra Editorial/ Alpharrabio, 2015), de Dalila Teles Veras, com a sensação de ter compartilhado uma viagem atemporal. Mais que um conjunto de poemas, o livro é o itinerário poético e existencial de uma menina nascida na ilha da Madeira que vem para o Brasil com onze anos e retorna, adulta, ao cenário da infância.
            A primeira parte do livro, que tem o belo nome de Insularidade, é primorosa. Lançando mão de epígrafes de poetas e fadistas de ambos os lados do Atlântico, Dalila nos revela em cada poema fotogramas de um filme íntimo cujas sensações podem ser intransferíveis, mas são ali compartilhadas.

Havia manhãs
em que ao abrir da janela
era só o mar e o mar
o mar
o mar
o mar.
            Poesia quase tátil, de uma criança cercada pelo mar quase infinito. Cada poema é um indício e uma construção. A escola, as primeiras letras, os trajetos circulares, as personagens esculpidas em vento e sal. A paisagem vai ganhando nitidez ao nosso olhar também salgado de lembranças.
            O breve capítulo “aventura em preparo” fala da última fotografia na ilha e do baú de viagem, feito pelo tio. “Ali, na austeridade da arca/ a casa/ reduzida ao essencial.”
            A terceira parte, “travessia e chegada/ ruptura” enriquece ainda mais o leque de imagens e sensações. “onze foram os dias/ enjoo, sarna e tédio”. O primeiro porto, Recife, revela os “torsos negros azuis suados/ e o cheiro despudorado/ do abacaxi a anular o resto”.
 A quarta parte, “regresso ou tentativa de”, é a mais pungente. Quem retorna ao Funchal não é mais a menina, mas a mulher adulta, vivida, que já não cabe na ilha (ou em outro lugar qualquer). Busca a “paz impossível” no mergulho da memória, e parafraseia Drummond: “a madeira não é apenas fotografias (…)/ mas é/ a memória do que não foi/ e sequer dói”.
O livro se completa com um indispensável roteiro (“dos registros prévios”), onde a autora investe na palavra rizoma e todos os seus significados. Ali explicita que “o mar invade os sentidos, especialmente o olfato e o olhar, mas é o subterrâneo que me interessa.”
Eu, nascido também à beira mar de outra ilha, a qual chamam continente, e transplantado para São Paulo com dez anos, mergulhei na “líquida travessia” de Dalila Teles Veras como se levado pela mão de uma amiga de infância. E, confesso, voltei outro.


2 comentários:

  1. voltamos outros... vi (escutei) palavras nascendo ao berço em momentos acolhedores em outra casa, da palavra, das palavras, rizomas, poesias, pela presença da poeta que muito estimo, desde caminhos com os pés nas ruas numa praça em Mauá, meu berço e fonte, agora navega águas do Grande ABC... levo as palavras da poeta na mochila onde estiver e leio aos ouvidos que educam raízes de muitos sentidos, meninas e meninos desta querida cidade: santo andré de dalila

    ResponderExcluir
  2. dalila teles veras7 de março de 2016 07:08

    obrigada, caro Edson, por sua leitura e atenção de sempre. Abraços

    ResponderExcluir