quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

do poeta Carlos Machado e da poesia.net


Carlos Machado, conhecido como generoso e incansável divulgador da poesia brasileira – criou e edita o site “Alguma poesia” e o precioso boletim semanal, poesia.net,  com abordagens críticas de poetas, na sua maioria, brasileiros contemporâneos - é, antes de tudo, um poeta brasileiro dos melhores e que bem merecia estar mais estudado e divulgado, ao menos na mesma medida em que o faz com seus pares.
Jornalista, nascido na Bahia e residente em Paulo, cursou engenharia mecânica na UFBA e, em São Paulo, jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Publicou “Pássaro de vidro”, SP, Hedra, 2006, Mané Ventura, Gonçalo e eu – uma história de cordel. São Paulo: Ed. do autor, 2012; cada bicho com seu capricho, poemas para crianças, MOV Palavras, 2015 e Tesoura Cega, pela Dobra Literatura, selo Donizete Galvão, 2015.
Este seu último belo livro  revela e (re)afirma um poeta de sintaxe singular, com seus temas recorrentes (a memória, o cotidiano, a poesia, o tempo) tratados com linguagem erudita sem pedantismo e um olhar de quem passeou longa e sabiamente por toda a história da literatura. Carlos sabe dizer dos poetas e da poesia alheia como ninguém, mas sabe muito mais elaborar sua própria obra que vai se firmando na centralidade do universo que ele, com tanto empenho, comenta e divulga com tanta propriedade.
Um poeta crítico merecedor de todas as homenagens, às quais incluo esta, ainda que que singela.





PUNHOS 
o tempo tem punhos
de renda

e toda a cerimônia dos
carrascos

na mão direita três
punhais:

ponteiros de metal
cravados

na pele fria de cada
hora que vai

(de Pássaro de Vidro)






Pastelaria Triunfo

Foi na pastelaria Triunfo,
uma casa de comércio na
Cidade da Bahia – mas também
um locus suspenso na memória
de meu amigo Santana -,
que se deu aquele episódio
de criança, luzes, sorvetes
e alumbramento. Cada um
de nós tem sua Pastelaria Triunfo,
seu porto de sonhos à prova
de vento e desterro. Não importa
se um dia o lugar existiu
de física presença – na Ladeira
da Praça, na Graça, na Praça
da Sé – ou é apenas miragem,
amarrotado desvario que
mantém o homem vivo.
        
             (Tesoura Cega)

Com alegria, dias atrás, recebo a edição nº 1.363 (dez. 2015) do Suplemento de Minas Gerais, um dos mais antigos e respeitáveis do país e, nele, página inteira, 4 poemas de Carlos Machado enchem a vista e o sentir estético. Eis um deles (livro novo à vista):

Néon

Com a calma cínica
do pó,
o cortejo trágico do mundo
acende neóns
à porta das farmácias.


E espera.






9 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Generosidade: Dalila presenteia em virtude de Carlos Machado, e a própria poeta. A palavra amplia em sentidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada, Edson, por sua constante leitura. Generoso, também.

      Excluir
  3. Que retomada vibrante do blog, Dalila. Uma bela seleção de poemas a nos provocar o desejo de percorrer Carlos Machado. Vamos lá,pois! Um abraço e boas escritas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o poeta Carlos Machado merece, sim, Adélia, ser lido. Tente. Abraço grato

      Excluir
  4. Poemas como gosto, fortes, vão ao ponto, poeticamente sem dó.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poesia, você sabe, cara Deise, não é "afago", mas soco no estômago, "forte", sim. Abraço

      Excluir
  5. Dalila, Você e o Carlos Machado, duas janelas inimigas das gaiolas, e ancilares dos voos, constantemente elevando. Há um e-mail enviado por mim ao seu endereço: - dalila@alpharrabio.com.br - se não extraviou estará por lá. Excelente retorno à Janela, abraço.
    Miro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Miro. Não vi o email. Vou à procura.

      Excluir